Composto por uma rede blockchain descentralizada desenvolvida para a execução de smart contracts de maneira automatizada, o Ethereum também conta com sua própria cripto nativa, a Ether (ou simplesmente ETH).

Considerado por muitos como uma evolução do conceito que o Bitcoin traz, o Ethereum, hoje, é a segunda criptomoeda mais valiosa do mundo. Inclusive, de acordo com um relatório do Invezz.com divulgado em maio de 2021, o país mais interessado em ETH é os Estados Unidos, seguido pela Alemanha e Turquia.

A seguir, você entenderá um pouco melhor sobre o porquê dessa moeda digital ser tão valorizada e quais são as suas principais características. Acompanhe a leitura!

O que é Ethereum (ETH)?

Resultado de uma hard fork de sua rede original, ocorrida em 2016 após uma ocasião de hack do sistema, o Ethereum é um sistema de blockchain descentralizado e open source que funciona como uma plataforma para outras criptomoedas. Além disso, a rede também é capaz de executar smart contracts descentralizados, algo novo quando comparado à estrutura do Bitcoin.

Diferente de seu maior concorrente, o Ethereum não foi criado para funcionar apenas como uma criptomoeda, mas sim como um ativo que recompensa os desenvolvedores que se utilizam da plataforma para os seus próprios projetos 一 coisa que, de certa forma, chama a atenção desses profissionais.

Quem São os Fundadores do Ethereum?

Com um total de 7 cofundadores, um número relativamente grande quando se pensa num projeto de criptomoeda, o Ethereum foi fundado em 2015 pelas seguintes pessoas:

1 – Vitalik Buterin: idealizador mais conhecido do grupo, esse russo-canadense foi o responsável pela criação do whitepaper original que descreveu pela primeira vez o Ethereum.

2 – Gavin Wood: por ter codificado a primeira implementação técnica do Ethereum na linguagem de programação C++, o britânico é o segundo cofundador mais importante da rede.

3 – Anthony Di Iorio: pessoa que subscreveu o projeto quando ainda estava no início.

4 – Charles Hoskinson: teve papel principal durante a criação do Ethereum Foundation, uma organização sem fins lucrativos que dá todo o apoio ao Ethereum e tecnologias relacionadas a ele.

5 – Mihai Alisie: fundamental para o estabelecimento do Ethereum Foundation.

6 – Joseph Lubin: empresário canadense que ajudou a financiar o Ethereum.

7 – Amir Chetrit: apesar de ter ajudado na fundação da rede, Chetrit se afastou do projeto ainda no começo.

O que o Ethereum tem de diferente?

Pioneiro no conceito de executar smart contracts usando a blockchain, além da transação das criptomoedas dentro da rede, o Ethereum é considerado como a segunda geração de criptomoedas.

Esses smart contracts foram uma grande inovação no mercado cripto, pois são capazes de executar algumas ações de forma automática, o que reduz a necessidade de intermediários entre os contratantes. Como consequência, os custos da transação também são reduzidos, o que aumenta a confiabilidade da rede por parte de seus usuários.

Fora essa característica, o Ethereum também se destaca na questão de suportar outros tokens, desde que o padrão de compatibilidade seja ERC-20 (que explicaremos com mais detalhes mais para frente).

Quantas moedas Ethereum (ETH) existem em circulação?

Estima-se que, em agosto de 2020, existiam cerca de 112 milhões de ETH em circulação no mundo todo, distribuídas da seguinte forma:

– 72 milhões emitidas no bloco gênesis (o primeiro da blockchain do Ethereum). Dessas, 60 milhões foram divididas entre os fundadores e 12 milhões foram para o fundo de investimento.

– As outras 40 milhões de ETH foram emitidas como formas de recompensar os mineradores da rede. Em 2015, essa recompensa era de 5 ETH por bloco, passando a ser 3 no final de 2017 e, atualmente, está em 2 ETH.

Ao contrário do Bitcoin, que quando atingir 21 milhões de unidades deixará de ser emitido, o fornecimento total do Ethereum não é deflacionário. Em outras palavras, a moeda ETH não é limitada, o que significa que existirão mais unidades dela no futuro.

Quanto vale um ETH?

Hoje, um Ether (ETH) vale pouco mais de R$ 12,5 mil. Além disso, o Ethereum está na classificação de número 2 dentro do CoinMarketCap.

A Ethereum é segura?

Protegido por meio do algoritmo Ethash PoW, o Ethereum funciona a partir do sistema proof-of-work justamente para prevenir ataques de hackers em sua rede. Considerando esse algoritmo utilizado em específico, o Ethereum é a rede que tem a maior capacidade computacional, já que é considerada como muito segura após 100 confirmações (ou 25 minutos, mais ou menos). 

Ademais, por ter um código-fonte aberto e um histórico de 5 anos de funcionamento sem interrupções, ele é, sim, um dos sistemas mais seguros existentes.

Onde comprar Ethereum hoje?

Como o Ethereum é a segunda maior criptomoeda do mundo, a ETH está disponível para compra em quase todas as exchanges existentes 一 inclusive aqui na Monnos.

Exchange com a negociação mais simples do mercado, a Monnos possui o maior portfólio de criptomoedas do Brasil e conta com taxas muito acessíveis aos seus usuários.

Para começar a comprar suas criptos, você precisa fazer o seguinte:

1. Baixe o aplicativo na App Store ou no Google Play.

2. Cadastre-se em menos de 5 minutos.

3. Faça seu depósito inicial em reais ou criptos (via transferência bancária ou PIX).

4. Comece a negociar mais de 60 criptomoedas, incluindo a ETH.

O que mudou no Ethereum?

Já tem algum tempo que ouve-se falar no Ethereum 2.0, também chamado de Serenity. Mas você sabe o que é isso? 

O Ethereum 2.0 nada mais é que uma atualização dentro da blockchain do Ethereum e que está prestes a ocorrer. E como algumas dúvidas existem sobre esse processo, explicaremos abaixo a resposta de boa parte delas:

O Que É o Ethereum 2.0?

O Ethereum 2.0 resultará na mudança do mecanismo de consenso da blockchain do Ethereum. Ou seja, de proof-of-work, a rede passará a funcionar de maneira proof-of-stake.

Existente desde 2015, a blockchain Ethereum 2.0 não vai passar a operar repentinamente, até porque ela precisa ser alterada aos poucos para observar como as mudanças funcionarão nos bastidores da rede, uma vez que um dos objetivos principais dessa atualização é agilizar ainda mais as transações.

Qual é a diferença entre o Ethereum 2.0 e o 1.0?

São 3 as principais diferenças entre o Ethereum e o Ethereum 2.0:

1. Mudança do algoritmo de consenso: de PoW, o Ethereum passará a funcionar por PoS.

2. Remodelação de estrutura da rede: ao invés de um só computador descentralizado para o mundo, agora o Ethereum contará com vários “minicomputadores”, resultando em uma separação por shards.

3. Modificação da política monetária: nas primeiras fases do Ethereum 2.0, existirão duas políticas de remuneração, sendo uma via PoW e outra via PoS. Isso vai funcionar até que o Ethereum se integre totalmente ao Ethereum 2.0.

Uma das principais vantagens dessa modificação será em termos de eficiência energética. Segundo o Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE), a atualização para o Ethereum 2.0 reduzirá o gasto de energia necessário para o processo de mineração em 99%.

Quais as desvantagens do Ethereum 2.0?

Dentre as maiores desvantagens que o sharding pode acarretar é a questão da segurança. Pelo fato de menos validadores serem encarregados por manter a segurança de cada uma das shard chains, há um risco de pessoas maliciosas ocuparem esses espaços.

Como o Ethereum 2.0 pode afetar o DeFi?

Hoje em dia, o Ethereum gerencia cerca de 25 transações por segundo (TPS). Com o Ethereum 2.0, Vitalik Buterin acredita que esse número poderá ser de 100 mil TPS, enquanto Kyle Samani, fundador da Multicoin Capital, aposta que ele poderá ser bem maior: 1 milhão de TPS.

Portanto, o Ethereum 2.0 tem tudo para tornar as DeFi bem mais práticas, seja em questão de velocidade ou taxas de transação.

A nova tecnologia Blockchain pode afetar os DApps?

Aparentemente, não há riscos de que as DApps existentes sejam incompatíveis com a atualização da blockchain do Ethereum. Porém, o que pode acontecer é que perturbações aconteçam conforme a rede for lançada, o que causará um retardamento nas atividades.

O que vai acontecer com o Ethereum que já tenho?

Como a mudança que ocorrerá está associada à tecnologia da blockchain do Ethereum, não existirá nenhum tipo de alteração nas criptomoedas ETH já emitidas. Sendo assim, você não precisará fazer nenhum tipo de conversão de um ativo para outro.

Com o novo Blockchain, os preços do Ethereum sobem?

Investir em criptomoedas é algo relativamente novo e, por conta disso, não há como saber como as coisas funcionarão com a mudança do Ethereum para o Ethereum 2.0.

Contudo, pode-se ter uma base sobre os preços futuros levando em conta um relatório recente feito pelo CoinDesk. O documento diz que caso o lançamento dessa atualização seja um sucesso, muito provavelmente o valor do Ethereum aumentará aos olhos dos investidores. No entanto, é imprescindível que essas pessoas fiquem de olho nas Fases 0 e 1 do projeto, pois se houver qualquer indício de que o sistema PoW não funcione, o valor do ETH pode diminuir.

Caso tenha interesse em começar a investir em criptomoedas, recomendamos a leitura deste artigo: Como investir em criptomoedas no Brasil e com segurança?

O Que São Shard Chains?

Sharding é uma tecnologia que fará com que o Ethereum passe a ser o Ethereum 2.0. Em tradução literal, sharding significa fragmentação, o que significa que a blockchain do Ethereum sofrerá uma divisão em cargas de pequenas shard chains (cadeias fragmentadas).

Em outras palavras, ao invés das transações na rede acontecerem em uma ordem consecutiva, elas serão realizadas simultaneamente.

Como Funciona o Staking?

O staking é uma das principais características do Ethereum 2.0 e será ele que irá confirmar os novos blocos dentro da blockchain.

No consenso proof-of-stake, os validadores colocam as suas próprias moedas Ether como garantia de que os novos blocos sejam criados de maneira correta, o que garante maior confiabilidade em todo o processo.

Normalmente, esses blocos são delegados de forma proporcional, ou seja, se alguém fez um stake de 5% do total, ele irá validar 5% dos novos blocos 一 e receberá recompensas por isso.

Como minerar Ethereum?

Assim como acontece com o Bitcoin, a mineração também é existente em todo o processo do Ethereum 一 ambos através do PoW. A principal diferença entre os dois é o algoritmo de mineração utilizado, que, no caso do Ethereum, é o Ethash.

Como a demanda de energia elétrica é muito alta, os mineradores, na maioria das vezes, encontram-se localizados próximos de grandes hidrelétricas em países que oferecem impostos mais baixos.

O Proof-of-Stake Será o Fim da Mineração do Ethereum?

De forma rápida, a resposta é sim. Como o consenso da blockchain irá mudar de PoW para PoS, a mineração do Ethereum deixará de existir.

Quais as vantagens e desvantagens do PoS do Ethereum?

Como todo projeto existente, o Ethereum 2.0 também apresenta algumas vantagens e desvantagens. Conheça quais são:

Vantagens:

– Maior eficiência de energia. 

– Diminuição das barreiras de entrada para quem quer validar os novos blocos da blockchain. 

– Mecanismo mais justo, visto que os novos blocos serão validados por várias pessoas, e não mais por um pequeno grupo de mineradores. 

– Menos incidência de ataques cibernéticos, uma vez que os validadores terão maior interesse em manter a rede segura e protegida. 

Desvantagens:

– Quanto maior a quantidade de stake, maior a influência dentro da rede. 

– O Ethereum será a maior criptomoeda a fazer a transição de PoW para PoS e, por isso, vulnerabilidades inesperadas poderão surgir. 

O Que São Tokens ERC-20?

ERC significa Ethereum Request for Comments, que nada mais são do que documentos que padronizam a programação dentro da rede. Consequentemente, o padrão ERC-20 determina o formato que os tokens baseados no Ethereum deverão seguir.

Dentro do Ethereum, os tokens ERC-20 representam diferentes tipos de ativos digitais, podendo ser:

– Cupons;

– IOUs (comprovantes de dívida);

NFTs (tokens não fungíveis).

Por Que Tokens ERC-20 são necessários?

Por determinar um tipo de padrão dentro do Ethereum, os tokens ERC-20 tornam tudo mais simples, já que os programadores não precisam criar algo do zero, mas sim seguir algumas regras da rede. Dessa forma, a criação de novos tokens fica muito mais fácil.

Como Funciona Um Token ERC-20?

Uma vez baseado na blockchain do Ethereum, os tokens ERC-20 possuem valor e trabalho quando são enviados e recebidos na rede.

Quando enviados, um gás do Ethereum é utilizado, que significa uma taxa necessária para executar uma transação ou executar um smart contract.

Conclusão

O mundo das criptomoedas é bastante promissor para quem está pensando em começar a investir em algo. 

Atualmente, o Ethereum é a segunda criptomoeda mais bem quista pelos profissionais do mercado. E você pode adquirir a sua moeda digital, a ETH, aqui na Monnos.Acesse www.monnos.com e mude sua relação com suas finanças o quanto antes!