Relatório Mercado de Cripto – Fevereiro 2022

O segundo mês do ano de 2022 acabou e foi marcado por altos e baixos. Foi um mês onde o mercado mundial sofreu impacto devido a situações geopolíticas, com uma volatilidade acentuada que parece que durará por um bom tempo.

O aspecto mais relevante é o conflito que está ocorrendo no Leste Europeu entre Rússia e Ucrânia, onde a Rússia está recebendo sanções internacionais, inclusive sendo excluída do sistema internacional de transações transfronteiriças, o SWIFT.


Ucrânia e Rússia limitando saques bancários, devido a corrida aos bancos,  abrindo portas para a migração para cripto e demonstração do quão útil são as criptomoedas em meio a conflitos e incertezas econômicas, dada sua descentralização. Inclusive, no segundo dia do confronto, as principais exchanges do país relataram um aumento de aproximadamente 400% na busca por criptoativos.

A Ucrânia também foi o primeiro país a aceitar doações com criptoativos. Ao anunciar esta modalidade, o país recebeu em menos de duas horas doações que somaram R$ 20 milhões e continuam recebendo.
Ao final do mês, o país já recebeu doações de mais de 150 BTC, 200 ETH e alguns milhões em USDT.

Assim, as criptomoedas têm se mostrado um refúgio para a população ucraniana e russa.

No Canadá, não foi muito diferente, o país passa por um conflito interno entre governo e protestantes contra as restrições anticovid. Com isso, o governo, buscando controlar a situação e asfixiar manifestantes, bloqueou algumas contas bancárias e o efeito não poderia ser mais colateral, provocou uma corrida aos bancos e um consequente movimento massivo de migração às criptomoedas.


Mesmo sob todo este cenário, cripto ainda é atacada pelos menos conhecedores como um reduto de capital ilícito, mas, surpreendentemente, neste mês de Fevereiro/22, houve o vazamento de dados do Credit Suisse datados desde 1940, indica-se a lavagem de mais de R$ 509 bi, 300% mais do que o valor ilícito mapeado em toda a criptoeconomia. Lembrando ainda que a tecnologia blockchain é um meio mais transparente e por isso mais seguro para combater movimentações desta natureza.

Outro destaque que é válido lembrar é o fato de Warren Buffett, um dos maiores investidores do mundo, que já declarou no passado “O Bitcoin é veneno de rato ao quadrado. Só compra quem não entende”, mudou de opinião e vendeu ações da Master e Visa para se posicionar na criptoeconomia. Outros mais virão.

Por fim, alguns dados interessantes, foram, o relatório da Inglesa Finbold, apontando que cerca de 10,2% de todos os habitantes do mundo que possuem internet, já possuem criptomoedas de alguma forma. A Tailândia responde pela maior participação com 20,1%, seguida pela Nigéria com 19,4%, uma porcentagem semelhante aos usuários filipinos. A África do Sul ocupa o quarto lugar com 19,4%, seguida pela Turquia com 18,6% no quinto lugar. Outros países entre os dez primeiros na lista são a Argentina (18,5%), a Indonésia (16,4%), o Brasil (16,1%), a Cingapura (15,6%), a Coreia do Sul (13,4%) e a Malásia (13,2%).

Também tivemos o relatório da Coinbase, maior exchange Norte Americana, informando que mais de 10.000 instituições têm conta em sua empresa e estão posicionadas em cripto buscando proteger-se de movimentos inflacionários, algo que tende a ocorrer de forma gradual e rápida em todo o mundo.

Observando o o Bitcoin, seu preço no mês de fevereiro abriu em USD 38.500, buscando o valor de quase USD 46.000 no dia 10, seguido de forte queda devido aos fatores já apontados acima, chegando em USD 34.400, mas que imediatamente foi recuperado e fechou o mês na faixa de USD 41.500, com uma alta em todo o mercado no último dia do mês.

As top 10 moedas mais negociadas na Monnos no mês de fevereiro foram:

1. Tether (USDT),
2. Bittorrent (BTTC),
3. Monnos Token (MNS),
4. Harmony (ONE),
5. Nuls (NULS),
6. Fantom (FTM),
7. Coti (COTI),
8. Agix (AGIX),
9. Terra (LUNA),
10. Enjin (ENJ).

O que esperar para março?

Muita indefinição. Esteja preparado para boas oportunidades de compra e venda, o desenrolar do conflito poderá determinar um salto na criptoeconomia global como meio de transação entre países, dada a dependência comercial obtida pela Rússia em relação a muitos países pelo mundo. Serão tempos sombrios e turbulentos, mas quem está em cripto já está, de certa forma, habituado, não é ?

Posts Relacionados

O que é Staking e como funciona?

Já pensou em ganhar recompensas por armazenar suas criptomoedas? Staking permite isto e vamos te explicar tudo o que você...

O que são Airdrops?

Você já deve ter ouvido falar desse termo em algum filme ou jogo de guerra, umas caixas caindo de paraquedas...

Assine nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre cripto semanalmente!

E-mail cadastrado com sucesso!

Erro ao cadastrar e-mail, tente mais tarde.