Bag Holder

De acordo com o Urban Dictionary, o termo Bagholder teve origem na época da Grande Depressão. Ele é usado para definir alguém que manteve um ativo ao longo do tempo apesar da desvalorização constante de seu preço por acreditar que ele iria se recuperar no futuro, mas estava enganado.

Em inglês, hold significa segurar, mas a expressão foi “abrasileirada”. Se dizemos que “Pedro está holdando Bitcoin”, por exemplo, isso quer dizer que ele está segurando suas moedas digitais e suportando as oscilações pensando na valorização que a moeda pode ter a longo prazo.

De fato, investidores precisam ter visão de longo prazo e existem inúmeros bons ativos que passaram por períodos de queda, mas se recuperam e geraram lucro.

Em alguns casos, a relutância em admitir o erro e fazer uma análise não passional acaba transformando investidores em bagholders.

Causas das quedas nos ativos

Existem, falando de forma geral, dois tipos de eventos que podem levar ativos a uma espiral de queda. Vamos falar sobre cada um deles. ·

Alterações nos fundamentos do ativo 

Alterações nos fundamentos referem-se a mudanças na atratividade do ativo em si para o público, seja porque surgiram opções melhores, porque ele ficou caro demais ou porque a necessidade que ele supria não existe mais.

A Blockbuster atendeu a demanda do público americano por filmes durante anos, foi referência na sua área nos Estados Unidos. Até que os serviços de streaming, como Netflix, apareceram. Não fazia mais sentido dirigir até uma locadora, correr o risco de não conseguir a fita ou DVD que você estava buscando e ainda correr o risco de pagar multa por atraso.

A melhor maneira de evitar se tornar um bagholder devido a mudanças nos fundamentos é estudar o ativo que te atrai de forma contínua, entendendo porquê ele tem valor para as pessoas e analisando se ele continuará a ter.

Também pode acontecer de mudanças na gestão de uma empresa tornarem-na um negócio menos lucrativo, o que acaba refletindo no preço de suas ações.

No tocante a criptomoedas, pode ser, por exemplo, que fragilidades sejam encontradas no código. Moedas digitais mais antigas e bem estabelecidas como Bitcoin já foram escrutinadas, mas projetos mais novos apresentam esse risco.

– Fatores externos

Nenhum fornecedor ou comprador está sozinho em sua cadeia. Qualquer ativo, de qualquer espécie, está sujeito a sofrer com fatores externos como: pandemias, políticas monetárias ruins, guerras e etc.

Muitas empresas não sobreviveram a 2020, infelizmente. E algumas delas estavam bem nos anos anteriores.

  • OBV

    OBV (On Balance Volume) é um indicador de análise técnica que relaciona volume com variações de preço.

  • Os Cypherpunks são ativistas digitais focados na privacidade e segurança de ativos digitais. Utilizam a criptografia como sua principal ferramenta.

  • O mempool é onde as transações válidas na rede do Bitcoin aguardam a sua confirmação. Quanto maior o mempool, maior o congestionamento.

  • Blockchain é um registro aberto (todos podem conferir) e imutável de dados, os quais podem ou não incluir transações.

  • Market cap é a quantidade de dinheiro que custaria para comprar todas as unidades existentes de um determinado ativo.

  • Paper wallet é um pedaço de papel onde estão escritas as chaves pública e privada que compõem a sua carteira digital. Também chamada de carteira de papel.

  • AMM é uma sigla para Automated Market Maker, (em português, Criador de Mercado Automatizado). É um “robô” que faz a cotação entre dois ativos

  • Uma Hot Wallet, ou “carteira quente”, é uma carteira conectada a internet. São amplamente usadas, mas oferecem menor segurança que as Cold Wallets.

  • Mixer é um serviço que embaralha as criptomoedas de um usuário com a de outros, dificultando seu rastreamento. Usado para aumentar privacidade.

  • FOMO vem do inglês "Fear of Missing Out", que indica uma ansiedade no mercado, onde investidores não querem deixar escapar uma oportunidade.