Bear Market

Um bear market é um período em que o os preços dos ativos estão em queda e a tendência futura também é de baixa. Tecnicamente caracteriza-se um bear market quando os preços caem abaixo de 20% em relação às altas recentes. Esse cenário acaba criando um sentimento negativo por parte dos investidores.

Nas criptomoedas, onde o ambiente é muito mais volátil, essas quedas podem ser muito mais agressivas e prolongadas. Não é raro o preço de alguns ativos caírem 85% por tempo prolongado. Essa volatilidade do mercado de cripto se da por conta do tamanho da capitalização de mercado das criptomoedas, que ainda é muito pequena em relação ao mercado de ações. Logo, cada movimentação dos investidores acarretam muito mais efeito nos preços dos ativos no curto prazo.

Para resumir, o bear market é definido como um período de tempo em que a oferta (vendas) de criptomoedas é maior que a demanda (compra) por criptomoedas, o que leva a baixos níveis de confiança e, por consequência, há uma queda nos preços.

Por que “bear market”?

Os termos bull e bear market vêm do mercado de ações e, de acordo com alguns relatos, suas origens vêm do estilo de ataque que cada animal usa – um touro (bull) atacará com seus chifres apontados para cima. Um urso (bear), por outro lado, se eleva sobre seus oponentes e ataca para baixo.

O que fazer durante um bear market?

“Buy the dip”, ou seja, compre no fundo. Muito investidores quando percebem sinais de um bear market começam a dolarizar parte ou totalmente ou seu patrimônio em cripto para se proteger da volatilidade que está por vir. Eles aguardam ansiosamente o fundo do mercado para se reposicionarem novamente com o seu capital, comprando os ativos por um preço muito menor do que venderam.

Se o bear market for prolongadado, você pode fazer compras recorrentes e ir fazendo um preço médio (de preferência, em dólar) durante esse período, para que, quando o mercado retornar para um bull market, o seu portfólio possa crescer exponencialmente. Você pode dolarizar o seu portfólio com a Tether, DAI e BUSD, todas disponíves na Monnos.

Não se apavore durante um bear market!

Isso pode parecer evidente, mas gerenciar suas emoções durante o bear market não é tão fácil quanto parece. Na verdade, muitas vezes é descrito como sendo a coisa mais difícil de dominar na hora de se tornar um investidor de elite.

O renomado economista americano Benjamin Graham disse uma vez: “Indivíduos que não conseguem dominar suas emoções são inadequados para lucrar com o processo de investimento”.

  • Uma Hot Wallet, ou “carteira quente”, é uma carteira conectada a internet. São amplamente usadas, mas oferecem menor segurança que as Cold Wallets.

  • O BEP-20 é o padrão de token da Binance Smart Chain. Na BSC, pode-se desenvolver Dapps, assim como os ERC-20, no caso da Ethereum.

  • Market cap é a quantidade de dinheiro que custaria para comprar todas as unidades existentes de um determinado ativo.

  • Um Swap de tokens é um termo que pode se referir a duas coisas: transferência de ativos digitais de uma blockchain para outra blockchain

  • Moeda FIAT (ou moeda fiduciária) é a moeda emitida pelos bancos centrais de qualquer país. No Brasil, é o real. Nos USA, é o dólar, por exemplo.

  • Hard fork é uma separação no protocolo de uma blockchain, uma que segue o protocolo anterior e outro que segue a nova versão.

  • Em criptomoedas, fork é uma atualização no protocolo de um moeda. No inglês, o significado é "bifurcação" e é exatamente isso que acontece.

  • Satoshi Nakamoto é o pseudônimo do criador do Bitcoin. Não se sabe se Satoshi é um indivíduo ou um grupo de pessoas.

  • MetaMask é uma carteira de criptomoedas que permite aos usuários interagir com aplicações descentralizadas (dapps).

  • AMM é uma sigla para Automated Market Maker, (em português, Criador de Mercado Automatizado). É um “robô” que faz a cotação entre dois ativos