Bloco Gênesis

Em 3 de janeiro de 2009, Satoshi Nakamoto fez história quando minerou o primeiro bloco do Bitcoin, o Bloco Gênesis, contendo as primeiras 50 unidades da criptomoeda.

Nakamoto deixou uma mensagem no código do bloco – uma manchete do jornal The Times que anunciava: Chanceler à beira de segundo resgate aos bancos”.

A matéria relata que o então chanceler Alistair Darling, do Reuni Unido, estava considerando ajudar financeiramente pela segunda alguns bancos, o que acabou se concretizando um ano mais tarde.

A mensagem de Nakamoto é uma crítica muito profunda ao sistema monetário atual. A crise de 2008 havia sido desencadeada em parte porque produtos sabidamente ruins (mais especificamente CDOs) foram ranqueados como sendo alta qualidade e vendidos pelos bancos. Além disso, não é incomum ver governos imprimindo dinheiro para bancar populismo e políticas eleitoreiras – só que o efeito colateral disso é inflação.

Assim, o lançamento do Bitcoin representa a independência e soberania do indivíduo em relação a governos e bancos centrais. Nenhum governo consegue aumentar artificialmente a quantidade de bitcoins existentes, como fazem com o dinheiro estatal, ou ter acesso a sua carteira.

Para nós, brasileiros, a importância de um ativo que o Estado não pode confiscar pode ser explicada em uma palavra: Collor.

Mas o que é um bloco? E minerar?

Blockchain significa “corrente de blocos”. De forma sucinta, um bloco contém informações sobre transações, tais informações são analisadas e, se for verificado que as transações são idôneas, o bloco é adicionado a uma “corrente de blocos”.

O Bloco Genesis, também conhecido como Bloco 0, é o primeiro dessa corrente.

O processo de análise e adição explicado acima tem um apelido – “mineração”. Nakamoto minerou o Gênesis utilizando um CPU simples (ao contrário das placas gráficas especializadas que os mineiros agora precisam).

O bloco seguinte, conhecido como Bloco 1, só foi minado seis dias depois, em 9 de janeiro, o que é considerado estranho, pois o intervalo médio entre os blocos é de 10 minutos. Há algumas teorias a respeito do atraso: a teoria mais comum é que Nakamoto passou seis dias minerando o bloco original para testar o sistema Bitcoin a fim de ter certeza de que ele era estável (então retroativa a carimbo de tempo).

Em honra de Satoshi

O Bloco Genesis inicialmente continha 50 bitcoins, mas entusiastas têm feito doações em homenagem a Satoshi.

Estas doações assumem um significado simbólico, pois elas não poderão ser gastas devido a forma como a blockchain funciona.

 

 

 

  • Blockchain é um registro aberto (todos podem conferir) e imutável de dados, os quais podem ou não incluir transações.

  • Moeda FIAT (ou moeda fiduciária) é a moeda emitida pelos bancos centrais de qualquer país. No Brasil, é o real. Nos USA, é o dólar, por exemplo.

  • Slippage é quando você não consegue executar uma compra pelo preço que pretendia e a compra acaba saindo mais cara que o esperado.

  • BTFD vem do inglês "Buy the F*cking Dip". É basicamente uma forma agressiva de recomendação de compra quando o mercado está em queda.

  • As block rewards (recompensas de bloco) são as unidades de moeda criptográfica ganhas por validadores por seu trabalho em uma blockchain.

  • A hash rate, também conhecida como hash power, é parte fundamental de qualquer cripto que possui consenso de proof-of-work, como o Bitcoin.

  • Um token é uma criptomoeda criada dentro de uma blockchain já existente. Diversos ativos pode ser tokenizados: ações, arte e muito mais.

  • Uma wallet (em português, carteira) é um software ou hardware que permite armazenar criptomoedas de forma segura.

  • Cold storage, ou armazenamento frio em português, é um termo usado para descrever sistemas de armazenamento de criptomoedas off-line.

  • Paper wallet é um pedaço de papel onde estão escritas as chaves pública e privada que compõem a sua carteira digital. Também chamada de carteira de papel.