Mining Rig

Mining rig ou “plataforma de mineração” é um equipamento ou um arranjo de equipamentos feito para minerar criptomoedas.

“Minerar” significa, de forma bem simples, verificar e validar uma transação. Para fazer isso, é necessário realizar operações matemáticas complexas, e os mineradores competem para ver quem consegue resolver tais operações primeiro e obter a recompensa.

A verificação de uma transação e sua subsequente adição na blobkchain exigem recursos de computação intensos, de modo que isso geralmente não pode ser feito por meio de um dispositivo comum.

CPU

A CPU é o cérebro do computador que você está usando. Ela contém todos os circuitos necessários para processar a entrada, o armazenamento de dados e os resultados de saída.

A CPU pode ser usada para mineração, apesar de hoje em dia isso não ser mais o suficiente para ter lucro com a esmagadora maioria das criptomoedas.

Às vezes, conectam-se vários computadores para esse fim. Foram até mesmo construídos clusters de computação, pequenos supercomputadores que utilizavam de forma mais otimizada o poder de computação de todos os computadores menores separadamente. Entretanto, a chegada da GPU, FPGA e ASIC Mining rapidamente os substituiu.

FPGA

Um FPGA é um circuito eletrônico que se pode programar para executar operações lógicas específicas. Portanto, um FPGA pode ser programado para minerar uma moeda digital específica. Entretanto, ele também pode ser reprogramado para minerar outra moeda.

ASIC

Como era de se esperar, a competição entre mineiros acarretou na necessidade de cada vez mais poder de processamento para resolver primeiro os problema matemáticos e obter a recompensa. Portanto, a mineração criptográfica moderna normalmente requer computadores de alta velocidade para resolver esses problemas no menor tempo possível.

Uma plataforma típica de mineração inclui todos os componentes de um computador pessoal: uma placa-mãe, unidade central de processamento (CPU), unidade de processamento gráfico (GPU), memória de acesso aleatório (RAM), armazenamento e fonte de alimentação.

Com a evolução da mineração, a tecnologia para minerar moedas criptográficas tem produzido equipamentos mais especializados.

Um Circuito Integrado de Aplicação Específica (ASIC) é um chip eletrônico projetado especificamente para mineração de moedas digitais.

O chip é feito para uma moeda específica. Por exemplo, um minerador Bitcoin ASIC é otimizado para trabalhar unicamente com o algoritmo de mineração Bitcoin.

  • Em criptomoedas, fork é uma atualização no protocolo de um moeda. No inglês, o significado é "bifurcação" e é exatamente isso que acontece.

  • Gwei é uma unidade de medida da Ethereum. Representa uma pequena quantidade do ativo e é usada para pagar as taxas de transação da rede.

  • O soft fork é uma mudança no protocolo de uma criptomoeda que é compatível com versões anteriores. Usualmente são alterações simples.

  • Um hash é conhecido como uma função que transforma dados de tamanho arbitrários para dados de tamanho fixo e menores.

  • Um Utility Token da ao usuário algum tipo de utilidade prática ao obtê-lo: descontos ou benefícios, acesso exclusivo a um produto, etc.

  • Os Cypherpunks são ativistas digitais focados na privacidade e segurança de ativos digitais. Utilizam a criptografia como sua principal ferramenta.

  • BTFD vem do inglês "Buy the F*cking Dip". É basicamente uma forma agressiva de recomendação de compra quando o mercado está em queda.

  • Exchanges, também chamadas de corretoras de criptomoedas, são sites onde pessoas compram e vendem criptomoedas e tokens.

  • Moeda FIAT (ou moeda fiduciária) é a moeda emitida pelos bancos centrais de qualquer país. No Brasil, é o real. Nos USA, é o dólar, por exemplo.

  • Vitalik Buterin é co-criador e inventor da Ethereum, a 2° maior criptomoeda do mundo em termos de capitalização de mercado.