SegWit (Testemunha Segregada )

Testemunha Segregada (SegWit) refere-se a uma mudança, uma atualização, na maneira como as transações de Bitcoin são feitas.

O SegWit foi ativado no bitcoin em 23 de Agosto de 2017 e seu objetivo é deixar as transações mais rápidas e mais baratas. Para entender como ele funciona, é preciso entender como transações de Bitcoin funcionam.

Várias transações são computadas em um bloco até que ele chegue em um tamanho específico (atualmente cerca de 1 megabyte), em seguida o bloco é “selado” com um identificador. Na ciência da computação, isso é chamado de hash.

Em seguida, se tudo estiver certo, o bloco é confirmado e adicionado a “corrente de blocos” e a transação é dada como completa. É daí que vem o nome “blockchain” ou “corrente de blocos”.

Imagine o seguinte: você escreve uma carta com uma instrução (“enviar 1 Bitcoin da carteira A, da qual sou dono, para a carteira B”). Só que os carteiros juntam um malote de cartas ao invés de cuidar de uma por vez. Quando o malote está cheio o suficiente, ele é averiguado, as cartas são enviadas e as ordens executadas.

A proposta do SegWit para acelerar as transações

Obviamente, a existência de um tamanho máximo para os blocos e a necessidade de confirmar cada um deles antes de colocá-los na “corrente” acabam causando um limite no número transações que podem ser efetuadas dentro de um espaço de tempo. Em alguns casos, chegou a levar horas para confirmar a validade de uma transação.

Bom, mas como, no exemplo das cartas com instruções, é possível saber que foi você mesmo, dono da carteira A, que deu a ordem?

Através da chave-privada: um código ao qual só o dono da carteira deve ter acesso. Você pode pensar nela como se fosse um carimbo oficial.

Obviamente, não é a sua chave privada que vai aparecer registrada na blockchain. Para realizar uma transação, cria-se uma assinatura digital (witness signature, ou “assinatura de testemunha”) baseada na chave privada.

Segregar significa remover ou separar, então SegWit significa literalmente remover os dados da “assinatura de testemunha” e colocá-los em uma sidechain, onde são armazenados longe do blockchain principal.

Como a quantidade de dados armazenados por transação diminui, o SegWit apresenta-se como uma solução que aumenta a quantidade de transações que cabem em um bloco e a velocidade com que são computadas.

  • P2P (peer-to-peer) no contexto de cripto, trata-se de transações entre dois indivíduos sem um intermediário, como uma corretora, por exemplo.

  • Mining rig ou “plataforma de mineração” é um equipamento ou um arranjo de equipamentos feito para minerar criptomoedas.

  • O mempool é onde as transações válidas na rede do Bitcoin aguardam a sua confirmação. Quanto maior o mempool, maior o congestionamento.

  • DYOR vem do inglês "do your own research", ou seja, faça sua própria pesquisa. É muito usado por usuários de cripto.

  • Um único bitcoin pode ser dividido, assim como o dólar ou o real, e a menor unidade é chamada de satoshi.

  • Uma wallet (em português, carteira) é um software ou hardware que permite armazenar criptomoedas de forma segura.

  • MetaMask é uma carteira de criptomoedas que permite aos usuários interagir com aplicações descentralizadas (dapps).

  • O BEP-20 é o padrão de token da Binance Smart Chain. Na BSC, pode-se desenvolver Dapps, assim como os ERC-20, no caso da Ethereum.

  • FOMO vem do inglês "Fear of Missing Out", que indica uma ansiedade no mercado, onde investidores não querem deixar escapar uma oportunidade.

  • Bag holder é um termo usado para definir alguém que manteve um ativo ao longo do tempo apesar da desvalorização constante de seu preço