Soft Fork

O soft fork é uma mudança no protocolo de uma criptomoeda que é compatível com versões anteriores. Normalmente são mudanças simples, apenas para melhorar ou corrigir algo.

É mais ou menos como quando você atualiza um aplicativo no celular. O aplicativo é o mesmo, apenas alguns detalhes foram alterados.

Uma observação importante é que normalmente para implementar um soft fork, não é necessário que todos os nodes (“servidores”) se atualizem.

Soft fork no Bitcoin

Ao longo da história do Bitcoin, sua blockchain passou por vários soft forks para resolução de pequenos problemas ou para melhorar suas funcionalidades – um desses é o Segregated Witness (SegWit).

Caso você esteja se perguntando o que é blockchain, pense nela como uma corrente de blocos, onde cada bloco contém um número limitado de transações.

Havia alguns problemas a serem resolvidos: como diminuir as taxas pagas para fazer uma transação e como agilizar as transações?

Parte da ideia por trás do SegWit era separar ou remover certos dados das transações, o que faria elas ocuparem menos espaço – e faria com que mais transações coubessem em um bloco, ou seja, mais transações seriam adicionadas à blockchain de uma única vez.

Outra alteração envolve o tamanho do bloco – de 1 MB para 4 MB.

Acontece que a velha corrente de blocos do Bitcoin conseguiu aceitar novos blocos de 4MB e de 1MB ao mesmo tempo. Através de um processo de engenharia inteligente que formatou novas regras sem quebrar as antigas, o soft fork permitiu que os nodes antigos também validassem os novos blocos.

Em síntese: não foi necessário criar uma nova criptomoeda, atualizou-se a antiga.

Soft fork versus Hard fork

Em um hard fork, a mudança acaba culminando na existência de duas criptomoedas – uma que mantém a versão anterior, e outra que adotou uma nova versão.

Por exemplo, o Bitcoin Cash é um hard fork do Bitcoin – os dois não são a mesma coisa, e nem todos concordavam com a implementação de certas mudanças que existem no Bitcoin Cash.

A plataforma Ethereum também passou por um hard fork. Devido ao furto de milhões de Ethers (a criptomoeda principal da plataforma), alguns dos responsáveis pelo projeto decidiram “voltar a Ethereum no tempo”, para antes do furto. Alguns outros, entretanto, não concordaram com o método usado para lidar com o ocorrido. Assim nasceu o Ethereum Classic, em que não houve esse “apagão” de transações, como se nunca tivessem sido feitas. O Ethereum e o Ethereum Classic possuem, por tanto, blockchains diferentes.

  • Bag holder é um termo usado para definir alguém que manteve um ativo ao longo do tempo apesar da desvalorização constante de seu preço

  • Cat bounce (“quique do gato”) é o nome dado a pequenas “subidas” no preço dos ativos mesmo que, no panorama geral, estejam se desvalorizando.

  • Mixer é um serviço que embaralha as criptomoedas de um usuário com a de outros, dificultando seu rastreamento. Usado para aumentar privacidade.

  • Bull trap se refere a um cenário em que vários investidores preveem uma tendência de alta para um ou mais ativos, mas ocorre o oposto.

  • A sigla UTXO significa Unspent Transaction Output (Transação de Saída Não Gasta) é o saldo o usuário recupera na carteira após uma transação.

  • Mining rig ou “plataforma de mineração” é um equipamento ou um arranjo de equipamentos feito para minerar criptomoedas.

  • Satoshi Nakamoto é o pseudônimo do criador do Bitcoin. Não se sabe se Satoshi é um indivíduo ou um grupo de pessoas.

  • MetaMask é uma carteira de criptomoedas que permite aos usuários interagir com aplicações descentralizadas (dapps).

  • As block rewards (recompensas de bloco) são as unidades de moeda criptográfica ganhas por validadores por seu trabalho em uma blockchain.

  • Baleia é nada mais do que uma forma de denominar uma pessoa que é dona de uma grande quantia de ativos.