Hot Wallet

De forma simplificada, uma hot wallet, ou “carteira quente”, é uma carteira conectada a internet.

Isso ainda pode gerar dúvidas. Afinal, o que é uma carteira? E uma chave privada?

A carteira pode ser comparada a sua conta bancária. É o “local” onde estão armazenados seus ativos digitais, como Bitcoin ou outra criptomoeda. A chave privada é como se fosse a senha do banco.

A carteira digital é um sistema que utiliza criptografia para criar um par de chaves criptográficas correspondentes: uma pública e uma privada.

A chave privada é um conjunto de números e letras ou de palavras, um código, que te dá acesso às suas criptomoedas. A chave pública, por outro lado, é usada para receber transações. É comparável às informações que você passa para uma pessoa para que ela possa transferir dinheiro para sua conta.

No que diz respeito ao seu dia a dia, é importante saber o seguinte:

– Como citado, uma chave privada é um código mediante o qual você tem acesso aos seus ativos digitais. Sem código, sem acesso aos ativos – portanto, guarde-a em segurança.

– Existem várias maneiras de armazenar uma chave privada. Alguns aplicativos fazem isso, mas você também pode escrever o código em uma pedaço de papel e depois fazer cópias para backup. Nesse último caso, como o papel obviamente não tem acesso a internet, trata-se de uma carteira fria (cold wallet).

Desvantagens da Hot Wallet

Como hot wallets estão conectadas a internet e a pelo menos uma blockchain específica, elas têm certas desvantagens.

O risco mais obvio é o roubo. Carteiras quentes armazenam suas chaves particulares na web, por tanto geralmente é mais fácil para um hacker ter acesso a elas, em comparação com as carteiras frias, que fazem o armazenamento offline.

Vantagens da Hot Wallet

É mais fácil enviar e receber fundos usando uma carteira quente justamente por ela estar online.

Muitos investidores comparam hot wallets com a conta corrente e cold wallets com a poupança. Isso se deve ao fato de que eles costumam deixar uma quantia menor, mas que pretendem usar, na hot wallet, e uma quantia maior, mas que não tem intenção de usar num futuro próximo, na cold wallet.

É importante frisar que o processo de criação de carteiras e chaves privadas na blockchain é seguro. Quaisquer fragilidades estão em fatores externos, como armazenamento do código em um local inapropriado ou utilização de aparelhos infectados com vírus.

 

  • O soft fork é uma mudança no protocolo de uma criptomoeda que é compatível com versões anteriores. Usualmente são alterações simples.

  • MetaMask é uma carteira de criptomoedas que permite aos usuários interagir com aplicações descentralizadas (dapps).

  • ATH é uma abreviação para o termo "All Time High", que é o preço mais alto que um ativo já chegou em seu histórico.

  • Moeda FIAT (ou moeda fiduciária) é a moeda emitida pelos bancos centrais de qualquer país. No Brasil, é o real. Nos USA, é o dólar, por exemplo.

  • DYOR vem do inglês "do your own research", ou seja, faça sua própria pesquisa. É muito usado por usuários de cripto.

  • Mixer é um serviço que embaralha as criptomoedas de um usuário com a de outros, dificultando seu rastreamento. Usado para aumentar privacidade.

  • Uma wallet (em português, carteira) é um software ou hardware que permite armazenar criptomoedas de forma segura.

  • O Bloco Gêneris é o primeiro bloco minerado de Bitcoin, contendo as primeiras 50 unidades e tendo sido executado pelo próprio Satoshi Nakamoto.

  • Bullish vem do termo "bull market", que é usado no mundo financeiro quando o mercado está otimista em relação ao preço dos ativos.

  • Satoshi Nakamoto é o pseudônimo do criador do Bitcoin. Não se sabe se Satoshi é um indivíduo ou um grupo de pessoas.