Quem investiu em Bitcoin na última década, com certeza está feliz da vida – afinal, a criptomoeda valorizou 890.500% nesses 10 anos que se passaram. Porém, a valorização de um ativo não é a única coisa que basta nesse universo.

Para que seu patrimônio fique sempre em segurança, é preciso mantê-lo bem guardado. E infelizmente, muitos investidores (principalmente os iniciantes) não sabem muito bem como armazenar suas criptos.

O mercado de investimento em criptomoeda funciona um pouco diferente dos demais, visto que funciona a todo momento e possui uma volatilidade bem maior. Por isso, estudar sobre as ações e as possibilidades existentes é fundamental.

Além disso, conhecer as opções de carteiras para guardar as suas moedas, incluindo o Bitcoin, também se faz importante. E é exatamente isso que nós vamos discutir neste artigo.

Acompanhe!

Como guardar bitcoin?

Por ser uma moeda digital, o Bitcoin não é um bem tangível, isto é, não é palpável ou existente no mundo físico. Sendo assim, por ser criada a partir da tecnologia blockchain, sua custódia também precisa acontecer nesse ambiente.

Por custódia, entende-se que é uma infraestrutura necessária para que uma pessoa consiga armazenar e ter acesso a todos os seus ativos digitais em um local digital e privado – ou seja, as carteiras.

Cada carteira possui um endereço eletrônico e pode ser acessada somente por meio de suas chaves privadas. É por essa chave que os investidores conseguem acessar, receber e enviar criptomoedas para outras carteiras – e é por conta disso que ela nunca pode ser compartilhada com ninguém.

O que é uma carteira (wallet) de criptomoedas?

Uma carteira de criptomoedas funciona basicamente como uma conta corrente bancária, onde seus ativos podem ser guardados e serem transferidos para outras carteiras a partir da criptografia. 

No entanto, como o Bitcoin e todas as outras altcoins não existem fisicamente, o que essa carteira faz, na verdade, é dar acesso à blockchain em que as criptos estão. 

Sendo assim, a carteira de criptomoedas é um software que facilita o controle dos bens de cada usuário e faz com que eles fiquem armazenados com mais segurança.

Qual a melhor carteira para guardar o Bitcoin?

Muitas pessoas, ao comprar criptomoedas através de exchanges, preferem deixá-las na carteira disponibilizadas por elas. Contudo, ao fazer isso, você não tem o total controle sobre seu patrimônio, visto que a chave privada da carteira fica sob custódia da empresa. 

Para que se tenha a garantia de que seus Bitcoin realmente são seus, é fundamental a criação de uma carteira para guardar as criptos, seja ela uma hot wallet (carteira quente) ou uma cold wallet (carteira fria).

Entenda a diferença de cada uma a seguir.

Hot wallet

As hot wallets são todas as carteiras que funcionam de maneira online, ou seja, quando o seu sistema de custódia necessita da conexão à internet.

Por estar sempre conectada a uma rede, esse tipo de carteira apresenta maiores riscos de segurança, pois suas chaves podem ficar expostas a ataques cibernéticos. Todavia, essa carteira é bem mais ágil para realizar transferências.

Cold wallet

Ao contrário das hot wallets, as cold wallets são as carteiras que armazenam criptomoedas de modo offline. 

Acessadas por meio de chaves privadas que ficam guardadas em um material físico (como o papel), essas carteiras são mais seguras e ideais para quem visa a liquidez no curto prazo.

Tipos de carteiras

Antes de definir qual é a melhor carteira, é preciso analisar os momentos em que você vai precisar dela, ou seja, se vai mexer nos seus Bitcoin todos os dias ou apenas quer mantê-los em segurança.

Conheça quais são as principais carteiras existentes no mercado:

Paper wallet

Tipo de carteira fria, a paper wallet não possui conexão direta à internet e é baseada em um pedaço de papel que contém a sua chave privada impressa.

Apesar de parecer peculiar, visto toda tecnologia que envolve as criptomoedas, essa carteira é uma das mais seguras que existem, pois protege seu patrimônio de falhas de hardware ou ataques de hackers.

Desktop wallet

Considerada um meio termo entre as hot wallets e as cold wallets – dependendo se está conectada à internet ou não –, a carteira para desktop funciona a partir de um software instalado em seu computador.

Seu uso é interessante para quem utiliza bastante esse tipo de equipamento, mas não é uma das opções mais seguras.

Mobile wallet

Opção muito versátil de guardar suas criptos, a carteira móvel pode ser uma ótima pedida para quem quer ter acesso à sua carteira sempre que precisar. E como ela está instalada direto em um smartphone, você poderá utilizar as moedas com apenas alguns cliques.

Hardware wallet

Dispositivos físicos que armazenam as chaves privadas de um investidor, as carteiras hardware são bastante seguras e foram criadas para garantir que os fundos não sejam alvos de roubo ou invasão.

USB Wallet

Tipo de carteira prática, a carteira USB armazena as chaves privadas e permite o acesso às criptomoedas de uma carteira. Diante disso, é preciso muito cuidado para que ela não seja perdida ou danificada.

É possível ter mais de uma carteira (wallet)?

Assim como uma pessoa pode ter várias contas em diferentes bancos, ela também pode ter diferentes carteiras, sejam quentes ou frias. 

Um exemplo bem prático sobre isso é com relação ao uso das criptos:

Vamos supor que 70% dos seus Bitcoin são para reserva de valor; assim, essa porcentagem poderá ser guardada em uma carteira fria (offline). Já os outros 30% são usados para pagamentos do dia a dia; então, por precisarem de mais praticidade, são armazenados em uma carteira quente (online).

Além dessa possibilidade, você pode também ter acesso simultâneo de uma mesma carteira em diferentes dispositivos. Logo, toda transação realizada no celular, por exemplo, aparecerá na carteira do desktop também.

É seguro manter bitcoin em corretora?

Muitas pessoas acabam por deixar seus Bitcoin na corretora em que comprou. Além de ser mais prático, pelo fato de ter um terceiro cuidando dos seus bens, você não precisa ficar se preocupando com o armazenamento das suas chaves.

E é exatamente aí que mora o erro!

No mundo das criptomoedas, existe um bordão muito forte (e verdadeiro): suas chaves, seus Bitcoins; sem suas chaves, não há Bitcoin. Então, como suas criptos estão sob custódia da exchange, elas não são, de fato, suas.

Além de pagar taxas sobre esses ativos que estão guardados nessas carteiras, você também corre o risco da exchange ser alvo de ataque e, assim, perder todos os seus Bitcoin. E nós temos certeza que você não quer isso, certo?

Então, considere criar uma carteira à parte para suas criptos e tenha todo o controle sobre elas.

Conclusão

Mesmo que existam diversas possibilidades do Bitcoin ser guardado em carteiras de exchanges, a tecnologia criptográfica também permite que ele seja armazenado pelo próprio investidor, desde que ele entenda minimamente como funciona todo o ecossistema.

Sendo assim, é interessante que você pesquise a fundo e veja qual o tipo de carteira que melhor se encaixa com o seu perfil. Como vimos, existem muitas opções no mercado.

Se você já possui uma carteira e quer comprar criptomoedas para guardar nela, você pode utilizar o nosso serviço. Com mais de 80 criptos disponíveis, a Monnos é a plataforma com o maior portfólio do Brasil.

Agora, para ler mais artigos como esse e ficar inteirado nos assuntos que envolvem criptomoedas, acesse monnos.com/br/blog

Posts Relacionados