Fork

Os forks representam uma divisão em uma blockchain. Como usualmente as protocolos são de código aberto e qualquer usuário pode sugerir alterações, isso acaba gerando um série de experimentos por parte da comunidade de desenvolvedores de cripto. Esse processo acaba gerando diversas melhorias e inovações no mercado.

Esses forks ocorrem quando a base de usuários ou desenvolvedores decidem que algo fundamental sobre uma criptomoeda precisa mudar. Isso pode ser devido a um grande hack, como foi o caso do Ethereum, ou como um desacordo dentro de uma comunidade, como vimos com Bitcoin e Bitcoin Cash.

Há basicamente dois tipos de forks: os hard forks e os soft forks

O que são soft forks?

Um fost fork é uma alteração no protocolo que continua sendo compatível com a versão original. Sempre que acontece um soft fork, os nodes mais antigos ainda validar novas transações. Porém, qualquer bloco que seja minerado, não será validado por esses nodes que foram atualizados. Paara que os fost forks tenham exito, eles precisam ter a maior parte do poder de hash na rede. Se não conseguir, o fork pode se tornar a menor chain e a ficar “orfão” da rede, o que acaba tornando o mesmo em um hard fork.

O que são hard forks?

Ao contrátio do soft fork, o hard fork quebra a compatibilidade com a versão anterior. Os nodes que executam o software antigo não irão mais validar as novas transações. Sendo assim, para minerar novas chains válidas, elas precisarão sofrer uma atualização. Se uma porcentagem grande o suficiente da comunidade decidir que deseja continuar usando as regras antigas, a cadeia será dividida, resultado em duas moedas separadas.

Consequências de um fork

Qualquer que seja o método utilizado, o resultado é o mesmo. A maioria da comunidade precisa concordar antes que quaisquer mudanças fundamentais possam ser implementadas, ou então você corre o risco de sofrer uma ruptura. O resultado de uma atualização bem-sucedida é que uma nova moeda será criada na blockchain, no bloco onde a atualização ocorreu. Duas moedas separadas com duas ledgers separadas, oriundas da mesma blockchain.

  • Os Cypherpunks são ativistas digitais focados na privacidade e segurança de ativos digitais. Utilizam a criptografia como sua principal ferramenta.

  • Gwei é uma unidade de medida da Ethereum. Representa uma pequena quantidade do ativo e é usada para pagar as taxas de transação da rede.

  • Um Utility Token da ao usuário algum tipo de utilidade prática ao obtê-lo: descontos ou benefícios, acesso exclusivo a um produto, etc.

  • Mining rig ou “plataforma de mineração” é um equipamento ou um arranjo de equipamentos feito para minerar criptomoedas.

  • Market cap é a quantidade de dinheiro que custaria para comprar todas as unidades existentes de um determinado ativo.

  • Uma wallet (em português, carteira) é um software ou hardware que permite armazenar criptomoedas de forma segura.

  • Criptografia é um mecanismo usado para garantir a privacidade de dados. Converte texto simples legível por humanos em texto incompreensível.

  • OBV

    OBV (On Balance Volume) é um indicador de análise técnica que relaciona volume com variações de preço.

  • Uma Cold Wallet é um carteira que serve para guardar criptomoedas de maneira offline, ou seja, sem estar conectado a internet. É mais segura que as demais carteiras.

  • Uma Hot Wallet, ou “carteira quente”, é uma carteira conectada a internet. São amplamente usadas, mas oferecem menor segurança que as Cold Wallets.