O peer-to-peer (P2P) é uma tecnologia que surgiu muitos anos atrás, porém só teve seu devido destaque há cerca de 20 anos.

Com essa tecnologia, é possível compartilhar conteúdos e arquivos sem a necessidade de um intermediário – logo, o P2P funciona como um tipo de servidor.

Hoje em dia, existem diversos softwares que têm como base a transmissão peer-to-peer, como é o caso do Torrent. No entanto, essa inovação já chegou no mundo das criptomoedas também.

Acompanhe o texto e entenda um pouco mais sobre a tecnologia e de que forma ela se associa com a criptoeconomia. 

O que significa P2P?

Termo que significa “pessoa para pessoa”, o peer-to-peer funciona basicamente como um servidor que oferece tudo o que comporta diretamente ao usuário final. Dessa forma, uma empresa intermediária é descartada.

Normalmente, a tecnologia é relacionada com softwares de “pirataria”, como eMule e uTorrent – mas ela foi popularizada com o surgimento do Napster, em 1999.

Além do compartilhamento de arquivos praticado por esses programas, o P2P também pode ser encontrado nas criptomoedas e suas devidas blockchains. Inclusive, quando Satoshi Nakamoto (pseudônimo do criador do Bitcoin) publicou o white paper da maior cripto do mundo, lá já estava escrito que a criptomoeda é “um sistema de dinheiro eletrônico peer-to-peer”.

Como funciona o sistema P2P?

O P2P funciona de uma forma muito simples. Resumidamente, existe um protocolo que permitirá que as pessoas que usam um determinado programa se conectem diretamente com outros usuários.

Existem 4 jeitos diferentes de utilizar tal tecnologia:

Transferência de arquivos

Tipo de aplicação mais conhecida do P2P, a transferência de arquivos dessa maneira se dá muito mais rápida e eficiente do que se utilizasse uma conexão entre cliente e servidor.

Comunicação

Diversos aplicativos de comunicação utilizam a rede P2P. Um exemplo é o Skype, que usa a tecnologia para que a chamada de voz ou vídeo viaje de ponto a ponto entre os servidores de cada usuário.

Consumo de mídias

O P2P também possibilita que sinais de rádio e televisão sejam transmitidos sem o intermédio de um servidor central.

Criptomoedas

A blockchain é um ambiente em que todas as transações financeiras de moedas digitais são registradas e também é uma tecnologia peer-to-peer, visto que não existe nenhuma instituição que centralize as movimentações financeiras feitas.

Como o P2P se aplica às criptomoedas?

Muito provavelmente você já utiliza o P2P para aplicações que não sejam relacionadas às criptos. Porém, é muito importante entender como a tecnologia funciona nesse ambiente, até para ter mais possibilidades de negociação no futuro.

Confira abaixo:

Blockchain e Peer-to-Peer

Ao contrário dos servidores que centralizam o poder de transmissão, no P2P quanto mais gente usa o sistema, mais capacidade ele tem, visto que cada usuário é como se fosse um sistema.

Contudo, mesmo com uma arquitetura dessa, é muito difícil impedir que pessoas surjam querendo atrapalhar o serviço – o que pode acontecer quando alguém coloca um conteúdo que não é válido, por exemplo.

No caso da blockchain, essas limitações foram resolvidas com algumas particularidades, como o proof of work (PoW), um método de consenso que determina os passos para uma blockchain funcionar. Com o PoW, tanto um desafio criptográfico precisa ser resolvido quanto o poder computacional do usuário precisa ser direcionado à rede, o que proporciona segurança a todos.

Como o P2P impacta nas operações com criptos

O P2P é uma arquitetura de redes de computadores, mas também uma forma de negociação de ativos digitais. A partir desse modelo, os usuários negociam entre si, seja Bitcoin, Ethereum ou qualquer outra altcoin, sem um intermediário.

Quando alguém compra ou vende criptos através do P2P, o valor dela não é previamente determinado, como acontece nas corretoras. Na verdade, cada pessoa pode determinar o valor da moeda que está sendo vendida e/ou comprada.

Geralmente a negociação é feita por aplicativos de conversas, sites ou plataformas que reúnem negociantes peer-to-peer.

Qual a diferença entre Peer-to-Peer, mineração e exchange?

No mundo das finanças, existem muitos termos que podem confundir as pessoas – e o mesmo ocorre com o universo das criptomoedas.

Para você entender exatamente o que são três dos termos mais comentados nesse universo cripto, veja abaixo as suas explicações:

– Mineração: processo que valida as transações feitas em cada bloco da blockchain e coloca as criptomoedas em circulação;

Exchange: plataforma semelhante a uma corretora onde é possível comprar, vender e guardar criptomoedas;

– Peer-to-peer: negociação de criptomoedas de uma pessoa para outra sem intermediários.

Peer-to-Peer vantagens e desvantagens

O P2P apresenta várias vantagens (e também desvantagens) às pessoas. Conheça algumas delas:

Vantagens do P2P

Quando comparada a outros modelos de negociação de criptomoedas, o P2P apresenta boas vantagens, tais como: 

Agilidade

Como o peer-to-peer conecta duas pessoas diretamente, as transações das criptos são bem mais ágeis.

Menores taxas

Quando as negociações são feitas por meio de exchanges, normalmente se cobram taxas de saques e transferências. Em negociações P2P, essa taxa também existe, mas geralmente é bem mais em conta.

Possibilidade de negociação

Mesmo que uma criptomoeda tenha uma média de preço, no P2P é possível negociar esse valor, já que a transação ocorre diretamente entre duas pessoas.

Desvantagens do P2P

Assim como o P2P apresenta vantagens, esse tipo de tecnologia também possui desvantagens:

Sem intermediários ou garantias

Como o P2P não tem uma entidade central para que as transações aconteçam, ele também não garante que você vai, de fato, receber as criptomoedas compradas ou o dinheiro da venda.

Necessidade de conhecimento em criptos

Uma pessoa que queira negociar via P2P precisa ter conhecimentos básicos sobre o mercado cripto, como saber o que é um endereço, uma carteira cripto, rede blockchain onde está ou será recebido o ativo, etc.

Tempo exigido

Quando alguém quer negociar criptomoedas por meio de P2P, os vendedores precisam ser encontrados “pessoalmente”. Contudo, essa pesquisa pelas pessoas corretas pode levar tempo até confirmar a identidade e verificar a opinião de outros compradores.

Custódia

Quando a negociação é feita por exchange, normalmente ela já possui uma carteira para armazenar as criptos. Logo, na transação P2P, o usuário é responsável pela custódia.

Como negociar por P2P (Peer-to-Peer)?

Para que uma negociação P2P aconteça, é preciso encontrar os vendedores. Isso pode ser feito através de grupos de WhatsApp ou Telegram, redes sociais ou sites.

Um outro jeito de encontrar vendedores P2P é por meio de plataformas que reúnem vendedores e compradores cripto, como LocalBitcoins, Paxful e Catálogo P2P. Além disso, você também pode pedir indicações de quem já está envolvido no mercado.

A definição das  questões referentes a valores, prazos e formas de pagamentos serão definidas durante a conversa.

É seguro negociar por Peer-to-Peer?

A maior liberdade de negociação de preços e condições de pagamento são grandes atrativos no peer-to-peer. No entanto, essa prática pode apresentar alguns riscos.

Em primeiro lugar, a compra/venda é feita na base da confiança, já que não existe nenhum tipo de garantia. Ademais, caso ocorra algum tipo de problema com a transação, você não tem nenhum tipo de suporte ao qual recorrer.

Porém, o que mais pode te prejudicar são os golpistas disfarçados de P2P, pois você pode perder suas criptomoedas ou dinheiro através de uma negociação.

Conclusão

O mundo tem se transformado em algo muito tecnológico e inovador – e a rede P2P é apenas uma parte disso tudo, envolvendo, inclusive, as criptomoedas. 

Mesmo existindo 3 formas de comprar ativos digitais (exchange, DEX e P2P), o P2P é o que proporciona mais liberdade aos usuários, só que é preciso muito cuidado na hora de efetivar a transação.

A fim de evitar qualquer tipo de risco ou golpe, indicamos que todas as negociações sejam feitas através de uma exchange confiável, como a Monnos. Presente no mercado desde 2019, hoje nós somos um crypto bank completo e contamos com o maior portfólio de criptomoedas do Brasil.

Acesse o site e conheça mais sobre o nosso trabalho!

Posts Relacionados

Crypto cresce apoiada em comunidade

Cada vez mais tem se mostrado claro que um negócio sem propósito não atrai talentos. Bancos, consultorias, fundos de investimento...

Assine nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre cripto semanalmente!

E-mail cadastrado com sucesso!

Erro ao cadastrar e-mail, tente mais tarde.